01/08/2019

Rumor: WhatsApp pode se tornar multiplataforma em breve


Segundo rumores recentes, em uma atualização futura o WhatsApp passaria a ser multiplataforma permitindo que uma mesma conta seja usada em outros aparelhos em simultâneo. Esse boato fez muita gente se perguntar como que essa atualização aconteceria tendo em vista o sistema de criptografia utilizado pelo mensageiro.


Há cinco meses atrás, o Facebook veio a público confirmar a interoperabilidade entre todos os seus serviços; Instagram, Messenger e o WhatsApp. Através dessa união, digamos, seria possível que os aplicativos distintos conversassem entre si, mediante protocolos uniformes. Tal notícia, igualmente, levantou a mesma questão sobre como seria possível integrar todos os serviços e ainda manter a criptografia de ponta a ponta no mensageiro. 

O WhatsApp, assim como outros mensageiros como o Signal, utiliza um tipo de criptografia conhecida como criptografia assimétrica. Esse tipo de criptografia é baseado no conceito de chaves públicas e privadas que permite que uma mensagem criptografada só possa ser desembaralhada com a respectiva chave utilizada no mesmo da encriptação. 

Digamos que Bob queira enviar uma mensagem criptografada para a Maria usando o conceito de criptografia assimétrica. Bob, inicialmente, precisaria saber a chave pública da Maria, que, diferente da privada, pode ser compartilhada abertamente. Tendo a chave pública da Maria, a mensagem de Bob seria criptografada usando a sua chave privada e a pública da Maria. Isso garantiria que apenas Maria, com a sua chave pública (que é gerada a partir da privada que é secreta) poderia ter acesso ao conteúdo da mensagem de Bob.


Sempre que você envia uma mensagem para alguém através do WhatsApp, a mensagem é criptografada com a sua chave privada e a chave pública da pessoa com quem você está conversando. Isso garante que apenas você e a outra pessoa tenha acesso às mensagens. Bem, na teoria. 

Não é possível saber taxativamente como que essas chaves são geradas e qual o algoritmo empregado. Ao menos não consegui acesso a essa informação no site oficial do App. Então, como confiar em algo que você não sabe exatamente como funciona? 

Se de fato os rumores de que o WhatsApp em breve se tornará multiplataforma se confirmarem, a criptografia assimétrica hoje utilizada no aplicativo teria que ser brutalmente modificada. Isso porque, as mensagens teriam que ser descriptografadas não apenas em um único dispositivo detentor da chave. Isso levanta apenas duas possibilidades.
  •  O WhatsApp passaria a armazenar as chaves privadas em um servidor que seria sincronizado com todos os dispositivos. 
  • Ou, o conceito de criptografia ponta a ponta seria abandonado em troca de uma cliente - servidor, a mesma utilizada por mensageiros baseado em nuvem como o Telegram
Sinceramente acho a segunda opção mais convincente. No entanto, não é isso que aparentemente o Zuck está planejando. Pelas suas palavras entende-se que mesmo após a integração entre os aplicativos a criptografia de ponta a ponta continuaria como padrão.

Confesso que estou muito curioso para saber como que conseguirão tamanha façanha...